Fazendo estória por aqui...

30 de jul de 2010

Blogagem coletiva - Sentimentos - MEDO

Oiiiii,

Hoje começa a Blogagem Coletiva, da maravilhosa Glorinha do Café com Bolo,  sobre sentimentos e o tema é Medo.
Tenho, tive e com certeza terei muitos medos na vidinha...

Quando criança, eu também fui terrível (acho que meu filho puxou a mãe)...e terrível eu dugo pois lembro que com 3 anos eu fingia estar dormindo para quando meus pais fossem dormir eu pudesse voltar pra sala e assistir TV, e eu amava assistir filmes...mas também tinha os de terror (pelo menos pra uma criança de 3 anos).
Então meu primeiro medo foi de vampiro...um filme de vampiros que assisti e me deixou um bom tempo dormindo no quarto dos meus pais...



Daí, fiquei maiorzinha e morria de medo de meus pais me abandonarem. Engraçado, hoje eu me pergunto, como pode uma criança de seus 7-8 anos já ter esse tipo de sentimento?? Bom, sinceramente não sei a resposta...vou pra terapia!!!


Já na adolescencia, eu tinha medo de tudo...principalmente do que os outros iriam pensar...medo de não ser aceita no grupo, medo de não ser bonitinha pra aquele menininho, medo, medo de tudo...


Daí que cresci...já adulta heim, que vergonha...já tive medo do escuro, outra vez de ficar sozinha, medo de fantasma, medo de gente viva também, ai, tenho medo de tantas coisas...mas, tem 3 coisinhas que tenho um medo "sobrenatural": 1. Medo de não ser uma boa mãe; 2. Medo de morrer e não criar meus filhos e 3. Medo de aranha!!!



E você, tem medo de que??

Se ainda não se inscreveu nessa nova blogagem coletiva, corra lá no blog da Glorinha, é só clicar aqui!!, e fale que vai participar também!!!

bjkssssss

19 comentários:

Meru Sâmi disse...

Que graça, você! Fala de seu medos como se brincasse.
Pode mudar o que for, mas adolescente é tudo igual, sempre os mesmos medos, não é!?
Gostei, fácil de ler!

Beijos...

Nilce disse...

Medos infantis, vc não tinha, hein?
que coragem de ir pra sala sozinha aos 3 aninhos.
Na verdade, eu acho que os medos nos são impostos e precismos enfrentá-los para vencê-los.
Tive que rir com um dos medos de adulta.
Gostei!

Bjs no coração!

Nilce

pensandoemfamilia disse...

Oi
Todos temos muitos medos, faz parte do ser humano. Eu tinha pavor de pensar que minha mãe morreria. Ela morreu, foi terrível! Tive que encarar e seguir ...
Quando os filhos nascem bate muito medo, mas estes vencidos, nos mostram, confirmam que temos forças para superá-los e fazer o nosso melhor.
bjs

Tati Pastorello disse...

Oi Açuti, sabe que só comecei a ter medo de escuro depois de adulta.. hehehe surreal! Eu não tenho medo de aranhas, mas pavor de baratas. E este medo de morrer e não criar o Bê me acompanha e hoje me impede de fazer coisas que eu adorava, como esportes radicais, por exemplo.
A gente muda, os medos mudam!
Dei risadas com seu texto bem humorado de hoje. Muito bom!!!
Beijos.

Eliane disse...

Oi vim até aqui através da blogagem e posso te dizer que vc não esta sozinha com todos esses medos não. Eu só não tenho ainda os medos de mãe, mas resto estão todos na minha lista. Foi um prazer te conhecer. Um beijo e tenha um lindo dia sem medo.

Eliane disse...

Oi vim até aqui através da blogagem e posso te dizer que vc não esta sozinha com todos esses medos não. Eu só não tenho ainda os medos de mãe, mas resto estão todos na minha lista. Foi um prazer te conhecer. Um beijo e tenha um lindo dia sem medo.

Glorinha L de Lion disse...

Minha querida! Medos, são tantos não é? isso não está sendo uma boa terapia? Tomara que ajude a todos a enfrentarem seus medos. Bjs.

Socorro Melo disse...

Olá, Açuti!

Estou participando da blogagem coletiva, e te visitando pela primeira vez.
Interessante, estou descobrindo que as pessoas têm medos tão semelhantes, né?
Também tenho os meus, muitos, medos.
E a certeza de que os medos sempre nos acompanharão, mas, acho que às vezes é salutar sentirmos medo, pois, ele nos serve de alerta para situações de perigo, e é aí que entra a nossa coragem...
Bom estar aqui.

Beijos
Socorro Melo

Açuti disse...

Oiiii gente,
obrigada pelos comentários, medos todos temos, né...relendo, tb dei muita risada dos meus medos....
Obrigada novas visitantes!!! Sejam sempre muito bem vindas por aqui!!

bjksss e tenham uma excelente sexta!!

Yoyo disse...

Oi querida Açuti,
Eu tenho medo de muitas coisas, entre elas,medo de perder as pessoas que eu amo, medo de viajar de avião(mas viajo sempre) mas acho que esses aí são os medos normais né?
Beijão

Astrid Annabelle disse...

Ai Açuti!
Que delícia ler sobre teus medos...escreveu tão naturalmente que nem deu medo!!!!rss
Todos temos esses medos...uns mais outros menos.
Podemos transmutar tudo isso quando focamos no amor e na alegria!
Beijo grande
Astrid Annabelle

Françoise disse...

Ihhhh, não tenho medo de aranha mas tenho de baratas e lagartixas, eca!
Também tenho medo de ficar longe das minhas pequenas, nossa , acho que pavor!!!!
Gostei muito do seu post, vc sempre sincera nos mostrando seu jeito de ser....
Beijos
Bom final de semana

Macá disse...

Olá Açuti
Desses 3 medos que você sente, os 2 primeiros são mais do que normais. Já tive muito medo de morrer cedo e não criar os filhos. Eles cresceram e mudou o medo. Agora fico com medo quando estão na rua.
Agora de aranha? Não tinha pensado nisso, mas vou falar que tenho sim, e muito. Barata eu tenho nojo mas mato sem dó, aranhas pequenas também, mas não posso nem pensar numa caranguejeira. UUIIIII, que medo.
beijos

Lúcia Soares disse...

Açuti, tantos medos nos rondam e são basicamente os mesmos pra todas as pessoas. Acho que o medo é inerente ao ser humano.
O importante é tentar vencê-los e viver bem a vida. Mas sempre confiando na intuição, pois tem coisas que são pra se ter medo mesmo, e não arriscar.
Beijo!

Marliborges disse...

Açuti!
Que medos hein! Adorei o texto. Os medos são os mesmos de nós todos. Bjsssssss

Mônica - Sacerdotisa da Deusa disse...

Oi minha florzinha linda!
Como temos medinhos bobinhos não!? Vai entender o ser humano rs. Achei tão bonitinha a história do vampiro rsrsrs.
Agora cá entre nós, aranha é u ó né?hahahaha Morro de medo meninaaaaa rsrsrs credo, aquelas peludas de pernas compridas urghhhh...rs
Beijinhos e um lindo domingo pra vc e sua família.

Flores e Luz.

j maria castanho disse...

ROMANCE CLANDESTINO


O menino, com sua mão frágil
No papel desenhou a floresta,
Desenhou a cabana,
E num repente ágil
Colocou dentro desta
A mais linda cigana.


Depois pintou um príncipe
Chamado de João,
Que lhe bateu à porta
Pedindo com brandura
Um pouco de água e pão,
E que ao ver a formosura
Se lhe prostra em oração.


« Levanta-te e entra »,
Lhe disse a cigana linda
« Pois te esperava e certa
Estava de ainda chegares
Antes de a tarde finda. »


Brilharam doces seus olhares
Para logo seus brilhos se apagarem.
« Mas senhora!, como poderei
Depois sair sem morrer
De saudade? »


E após se beijarem,
Cigana e filho de rei,
Nela entraram sem querer
Saber da dura verdade.


João ao palácio não quis
Jamais voltar até que seu pai
A todos ordenou encontrá-lo.
A seus exércitos diz:
« Tragam-no vivo e dai
A morte a quem tentou raptá-lo. »


Os soldados cumpridores
Batem montes,
Batem vales e rios,
Perguntam aos pastores,
Perscrutam horizontes
E inquirem doutores.
Sofrem os tempos de calores,
Calores e frios.


E é quando um dia
À volta da floresta se juntam
Como soubessem só poderem estar além
Que um velho guia
Informa os generais do rei
Haver nela dois amantes que andam
Felizes a brincar ao “ pai-e-mãe “
Sem se importarem com a lei.


Então, o menino pára.
“ Desenhar, para quê?... “
Se aqueles que ele tanto amara
Por sabê-los como seu pai e sua mãe,
Tão iguais para quem os vê,
Têm que vir a sofrer também
A imposição da corte e seus porquês
“ Como se foram Pedro e Inês... “


Se... Mas não! Não!!
Ninguém lhe iria levar a melhor!
E num gesto rápido e exigente
Pega na tesoura do papel.
Com ela vai ao desenho saído de sua mão
Com tanto carinho e calor,
E num corte lacrimoso e tremente
Retira à floresta a cabana
Em que estão o príncipe e a cigana
E corre a escondê-la no sótão.


O rei e seus generais
Percorrem a floresta de lés a lés;
Atiçam os cães, erguem os punhais,
Cansam os cavalos, ferem os pés.
Mas de nenhum têm sinal!
Nasce-lhes aos poucos a desilusão.
Corre-lhes a vida mais que mal,
E abrem as bocas de espanto: “ Onde estão!!...
Onde estão?!... “


Depois o menino, suspirou e sorriu.
Feliz, contente com seu feito
Segredou a si, em inocente jeito:
« Pschiu!... Ninguém viu. Ninguém viu!... »

Lianara **Lia** disse...

Oi Açuti!

Só hoje consegui passar por aqui para ver sua postagem sobre o MEDO!

Adorei a forma como você descreveu seus medos ao longo da vida!

Parabéns pela criatividade!

Beijos
Lia

Blog Reticências...

Amica Philosophiae disse...

Olá,
Eu tb sinto esse medo em relação aos meus filhos e tinha alguns ou todos os medos que vc tinha antes de ser mão! Lembro-me de ter pavor do HULK!!
Mas o medo de não ver meus meninos crescer é pior que todos os outros não é? Sentimento louco!!
Será que medo é igual pra muita gente??
Um abraço
Cynthia